Uma fábula moderna III

fim-do-mundo1

Era uma vez, um homem comum. Ele não possuía o menor diferencial em relação às outras pessoas. Conhecia, quando muito, a diferença entre feijões pretos e marrons (a cor).

Ele leu alguns livros do Patrick Geryl e concluiu que o mundo iria acabar mesmo em 2012, tal e qual o autor do livro alegava, quando a Terra passaria a girar ao contrário e os pólos magnéticos do planeta se inverteriam. Pensou consigo mesmo: ”Se o mundo vai acabar, o melhor é aproveitar ao máximo tudo que resta de minha vida e da humanidade”. Então ele fez empréstimos milionários, comprou carrões, destruiu o organismo com orgias, bebidas, drogas, zombou da polícia e ficou devendo para um  monte de traficantes.

Chegou então o dia do fim do mundo e Patrick Geryl descobre que um erro de cálculo, uma vírgula que ele colocou umas casas à esquerda a mais, deturpou o resultado de sua complexa equação, e na realidade o mundo vai acabar  mesmo é no ano de 201200, isto é, se os Norte-Americanos não adiantarem a sua agenda.

Hoje temos a notícia de que os traficantes praticaram sexo anal com esse homem até ele mudar de sexo.

Sobre a imensidão do universo

cosmos

Meu amigo Diego teve um trabalhão baixando Consegui todos os episódios da antiga série de televisão do Carl Sagan, intitulada de Cosmos. Vou deixar registrado aqui a minha gratidão ao trabalhão que o Diego teve e que compartilhou comigo e também o fascínio que essa série sempre produziu em mim, desde minha infância. Lembro do velho Manoel Bezerra, meu avô ligando a tv e girando o seletor à direita, pléc, pléc, pléc, depois ajustando o horizontal nos finais de semana pela manhã. Eu via esse programa quase grudado na tv e meu gato Frajola junto, ele não gostava do programa, mas gostava de ficar grudado em mim. Assisti os episódios de novo e muitos deles foram como voltar no tempo. Pretendo mais adiante falar de cada um dos treze episódios aqui no Blog. Aguardem