The Warriors

the_warriors

Depois de anos de procura, finalmente saiu em DVD o filme “The Warriors” (Aqui no Brasil “Os Selvagens da Noite”). Acho que já usei uma imagem desse filme para ilustrar um post tempos atrás. Fiquei muito contente em ter esse filme na minha coleção, mais ainda por não gastar sequer um centavo para tê-lo, uma vez que comprei na Livraria Cultura com um vale presente que ganhei de uma amiga.

A primeira das vezes que vi esse filme foi na já mencionada “Sessão Coruja”, da Rede plim plim, há quase vinte anos. Fiquei muito ligado a esse filme, por que ele era de certa maneira libertador.

Libertador pois eu não tinha ainda a noção real de que a violência podia ser empregada como meio de defesa. Até então eu tinha um histórico de medo e covardia nos enfrentamentos com meus colegas prevalecidos, e por assim dizer levava sempre a pior, sendo um verdadeiro saco de pancadas na aula. Esse filme mudou o meu modo de ver as coisas, e após a primeira cadeirada minha vida mudou para melhor nesse sentido. Não estou aqui defendendo a brutalidade. Muito pelo contrário, estou defendendo o respeito e a paz entre as pessoas, mas infelizmente para conseguir isso às vezes temos que lançar mão de determinados artifícios. Como na máxima “Si vis pacem para bellum”, ou “Se queres paz, prepara-te para a guerra”, que hora é atribuída a Sun Tzu (544 – 496 A.C.), e que dizem que consta na obra prima dele “A Arte da Guerra” (leitura obrigatória no mundo corporativo – eu nunca li), hora a Ápio Cláudio Sabino (fundador da Família Romana dos “Cláudios” e que acho, viveu na mesma época).

Bom, chega de Sun Tzu, Ápio Cláudio, chineses, romanos honorários e afins. O filme The Warriors, de 1979 e dirigido pelo Walter Hill é muito legal. A bandidagem chega à inteligente conclusão de que os membros de gangues estão em muito maior número que os policiais em Nova Yorque e resolvem fazer uma grande reunião para por ordem na coisa e tomar a cidade. Junta-se então uma quantidade enorme de desocupados em potencial em algum buraco da cidade e Cyrus, líder da maior gangue da cidade, os “Gramercy Riffs”, dá início aos trabalhos (trabalhos?). Ele convoca uma trégua geral entre as gangues e começa a ladainha de que a cidade pode ser tomada e tal, e então um revólver (armas estavam proibidas no encontro) troca nervosamente de mãos até que Luther (David Patrick Kelly), da gangue “Rogues” resolve pôr fim naquele discurso idiota. Luther dá cabo de Cyrus com um belo buraco no peito deste, e após o alvoroço da situação ele acusa a gangue mais próxima, que são os “Warriors”, do assassinato. As demais gangues tentam cair de pau nos Warriors, mas eles conseguem sair correndo, com exceção do líder Cleon (Dorsey Wright) que fica apanhando mais que boi ladrão, e dizem que em uma versão mais completa do filme e que infelizmente não é a que eu tenho, acaba espancado até a morte.

Desse ponto em diante o filme narra a fuga dos pobre Warriors até seu Bairro (Coney Island), madrugada adentro. Lábios femininos enormes e opressores vão dando o serviço em uma estação de rádio, sobre a posição dos caras e quem vai tentando pegá-los. Não vou contar o final, senão quem ainda não viu pode se chatear.

Sem dúvida esse é um filme cult no verdadeiro sentido da expressão. E é daqueles que não tem continuação o que é bom para que a essência não se perca (como por exemplo em Mad Max). Com exceção do James Remar (Ájax) e do já citado David Kelly (Luther) ninguém fez exatamente sucesso no mundo cinematográfico.

Ou seja, quem tem esse filme, aproveite ao máximo pois é obra única e genial.

Acho que tem link no IMDB para esse filme, mas estou com preguiça de colocar aqui.

Anúncios

Um comentário sobre “The Warriors

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s