Impressões sobre o filme “The Kite Runner”

Devido ao seminário da Faculdade, optei por ver um filme ontem, lá mesmo. Confesso que tenho o mal costume de não me interessar por filmes que não sejam “descobertas” minhas, sou cético em relação ao gosto dos outros. Mas a fotografia do filme e o idioma original começaram a chamar a minha atenção. Como sempre, quando me deparei com a situação, já estava dentro de Cabul, que é onde a história se passa. Cheguei em casa e fui pesquisar na internet sobre a história e sobre os atores.

Achei ótimo o filme, não muito pelo foco dramático nem pelos tons pastéis predominantes ou pelo ato do jovem Amir arremessando aquelas frutas vermelhas em Hassan, simbolizando a morte sangrenta de uma amizade, mas por retratar a beleza da região e a harmonia das pessoas, desde que fossem da mesma raça e religião, ou seja, por mostrar que o problema do racismo e das batalhas por diferenças religiosas são universais e milenares.

É um filme que vale a pena ter na minha coleção. Mas não posso deixar de dividir com vocês minhas impressões acerca de alguns pontos:

1º Se meu amigo assistisse um bando de desgraçados se aproveitando do meu traseiro e saísse em disparada, eu também ia deixar uma carta para ele: “Querido Amir filho-de-uma-puta! Se um dia você vier aqui, eu vou socar um cabo de vassoura enrolado em lixa d’água no seu rabo, seu merda! Tomara que aquele bosta do seu pai tussa até colocar aquelas merdas de pulmões pelaboca, aquele corno! E o relógio, sabe aquela merda de relógio? Eu enfiei ele pela garganta da Soraya, quando você for dormir com ela perceba de madrugada o tique-taque!”

2º Toda a bondade do pai de Amir era na realidade consciência pesada. O Baba era um sem-vergonha, deu emprego para um beduíno ou sei lá como se chama e depois mandou bala na mulher dele. E que velho resistente, achei que ia estar tossindo ainda no fim do filme. Na noite que ele se despediu do Amir e da Soraya achei que ele ia sussurrar no ouvido do filho “Meu é o seguinte, traz um pacote de pastilhas Valda que tudo vai ficar legal! E não dá bola para as dancinhas aquelas do teu casório, alguém colocou cocaína no lugar do açúcar na hora de fazer os doces. Eu mesmo queria dançar, mas tossi tanto que recheei o cuecão. Aliás, vou te confessar uma coisa:Aquela vez no caminhão, quando o soldado ia atirar em mim, também recheei meu cuecão, então aquele cheiro ruim lá dentro não era de patê de camelo não!”

3º Porque sempre em toda merda de filme os Estados Unidos são a solução???? Que bosta!!! Uma vez eu vi o último samurai e adivinhem??? O Tom Cruise se torna o cara no fim do filme e ajuda a japonesada em meio a guerra deles mesmos. Santa palhaçada Batman.

4º A Soraya, única mulher ( a mãe dela era na realidade um traveco) do filme que não usava burca na realidade é Alemã.

O filme vem de um livro, Best-seller, mas várias coisas retratadas não são bem assim no livro( como toda adaptação), tem um resumo dele aqui:

http://pt.wikipedia.org/wiki/The_Kite_Runner

Para quem quiser ver detalhes da produção, eis o lugar:

http://www.imdb.com/title/tt0419887/

Absurdos da lei eleitoral no Brasil

A maioria dos meus amigos não discute política comigo. Eles sabem que eu não gosto. Um ou outro de vez em quando tenta engrenar uma discussão que não leva a nada a não ser o lugar-comum das reclamações sem nenhuma ação. Mas apenas para ilustrar o meu sentimento de que não adianta muito votar no “menos pior”:

Estava eu entrando no supermercado ontem. Dei de cara com os jornais do dia. Em um deles, a manchete acima. Como eu vou acreditar num sistema político podre desses?

Depressão…

Nenhum médico dignostica com cem por cento de certeza e não foram poucos os procurados. Uns chamam de transtorno bipolar afetivo, outros de depressão… Seja lá o que for começou de novo sexta feira, amenizou no sábado de tarde, domingo foi péssimo e hoje simplesmente parece que ainda não acordei. Simplesmente estou olhando ao meu redor aqui no andar e não sei como fui parar aqui. Todas as pessoas que faz sete anos que eu conheço e que viram eu evoluir no serviço, parece que não as conheço. Não sei exatamente o que devo fazer aqui no serviço, aparentemente estou perdido. Estou com uma sensação horrível de depressão, mal estar generalizado e nenhuma vontade de fazer nada. Tenho momentos em que sei que devo ir pra faculdade, mas ao mesmo tempo não lembro o que me chama tanto a atenção lá. É como saber que tem um tesouro, mas não sei se quero procurar pelo mapa. Eu estou meio tonto e com muito sono, e nesse momento acho que o sono vai resolver meus problemas. Me deparei no espelho com um cara envelhecido, gordo e careca. Que não respira direito.  Eu estou escrevendo por mágica e por necessidade, pois preciso ler isso quando a fase eufórica chegar e então entender o que estava passando.