Uhnnf! Me caguei!

Estava eu em um dia daqueles, tudo ótimo, véspera de feriado, serviço rigorosamente em dia e pouca coisa pra fazer na repartição. Pintou as onze e meia da matina e a galera comentou em coro: ”Vamos cair dentro da casa de massas aquela? Saímos agora, comemos umas duas horas e voltamos.” Serviço público tem dessas coisas, mesmo quando tem serviço atrasado o pessoal não dá muita bola, afinal de contas estamos servindo o povo, temos que ser valorizados e paparicados com essas facilidades. Tocamos-nos direto para o estabelecimento que é tradicional em nossa cidade e atende pelo nome de “Engordurando um talharim”. Casa alegre, descontraída, moderna, esteticamente perfeita e com todas as cadeiras e mesas construídas para pessoas, digamos, de porte. Agüentam até 300 quilos. Pedimos a modalidade “coma até explodir por preço fixo” e fomos à batalha. Além do talharim que é óbvio que tem lá, comemos nhoque, macarrão, lasanha, tortei, rondeli, farfale,ravióli, capeleti, espagueti e tudo mais que termina com one, anha ou éti, umas três vezes em seqüência. Passamos um pouco da hora e lá por umas dezesseis e quarenta e cinco, um dos colegas que ainda conseguia falar nos lembrou: “Porra gente, assim não dá, quase final da tarde, simbora!” Levamos mais ou menos dez minutos para sairmos do coma induzido. Coma que eu digo é de comer mesmo, pois estávamos nós todos induzidos a comer por umas quatro horas ininterruptas. Saímos da casa andando de lado, acho que todos sabem o que é andar de lado ,é quando você tem que caminhar ao mesmo tempo em que tenta acomodar a comida no bucho e não morrer de indigestão. Depois de sete passos senti que a coisa não seria como eu esperava e pedi um arrego, alegando que tinha esquecido o chinchila no microondas de casa e precisaria salvar o pescoço desse simpático roedor. Fui do jeito que dava para a casa, cheguei e me atirei no sofá, com pouquíssimo fôlego, meu corpo tinha tanta comida que nem pra oxigênio tinha espaço.Meia hora de um cochilo e acordei melhor, a minha esposa me convidou pra jantar, ela fez uma dobradinha com batata de se babar todo, não dava pra fazer desfeita, e uma hora depois estava eu, triste de tanto comer, com a panela vazia nas mãos. A situação estava braba, não me intimidei e pedi ajuda de todos os deuses da gastronômia pra me deslocar até o quarto. Noite tranqüila até eu sentir algo borbulhando no baixo ventre. Cerca de cinco segundos depois já era uma dor de barriga de ferrar o forévis do palhaço. De olhos bem abertos tentei me acomodar de lado, pois tinha preguiça de mais de levantar, mas isso só piorou a situação. Não daria mais pra evitar o trem bosta, que havia chegado na estação fiofó do sul e com jeito de atrasado ainda por cima. Fiz menção de me levantar, mas acho que a barriga apertou contra alguma parte do corpo que não sei qual é pois não posso enxergá-la e pesou meu cuecão, pesou feio ele.Veio tudo de uma vez, mondongo, farfale, risoto, gelatina, churrasco, caipirinha, pastel de Santa Ifigênia, feijoada, xis tudo, cafezinho, uma porcaria total. Não quis acreditar mas era isso, havia simplesmente me cagado de tanto comer, Que coisa, em plena madruga e na cama, todinho cagado. Eram três da manhã, a minha mulher ainda dormia tranqüila e eu não imaginava o que poderia dizer pra ela. Passei o resto da noite em claro tentando desenvolver uma tese qualquer sei lá, a culpa foi dos marcianos, qualquer coisa. À medida em que os ponteiros avançavam impiedosamente contra mim, as idéias diminuíam e o meu desespero juntamente com o fedor aumentavam. A nêga veia acordou, respirou e deu um pulo da cama: “O que houve Oberdã?Oberdã, eu não acreditoooo!” Como uma luz divina em direção à minha rica moringa, veio a idéia: “Culpa ela cara!”. Respirei fundo e disparei:”Vem cá nêga que sacanagem foi essa comigo? Laxante na dobradinha e esconder o papel higiênico? Tu é louca?” Me levantei com um pedaço de lençol colado na bunda e fui tomar banho. “Brincadeira sem graça nêga, só pode ter partido daquele retardado do teu pai”.

Anúncios

2 comentários sobre “Uhnnf! Me caguei!

  1. Hoje 16 de novembro de 2010, eu Nira Cigana acordei toda cagada.
    Sensação terrível,passei a mão na bunda e cheirei pra ver o que era.
    O fedor foi demais, o estrago só não foi pior porque eu durmo com a bunda encostada na parede.
    Espero nunca mais passar por isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s